No dia da saúde mental, especialista alerta para o impacto das relações de trabalho no mal-estar das pessoas.

A saúde ocupacional, que relaciona aspectos como segurança e qualidade de vida em ambiente laboral, tem cada vez mais se debruçado sobre o adoecimento psíquico causado por relações de trabalho. O número de dias de afastamento no trabalho e aposentadorias por invalidez têm crescido por conta de transtornos mentais e comportamentais. Um dos grandes causadores destes efeitos é o assédio moral.

Definido como a exposição a situações humilhantes, constrangedoras e repetitivas, o assédio moral não é novidade e está, de fato, relacionado com uma série de adoecimentos psíquicos. Um estudo realizado pelo Núcleo de Pesquisa Psicossocial em Processos Laborais Sustentáveis com 117 trabalhadores constatou que o assédio moral está relacionado com o adoecimento psíquico e que esta relação pode ser potencializada a depender de algumas características pessoais. E, por isso, os gestores de recursos humanos precisam estar atentos que para alguns grupos este assédio é ainda mais danoso.

O assédio moral também está relacionado à Depressão, ao Desvio Psicopático, à Obsessão, à Paranóia, à Esquisofrenia e à Histeria conversiva. Ou seja, quanto mais assédio, maior o adoecimento. A novidade da pesquisa, entretanto, está em descrever quais são os grupos que mais sofrem com o assédio moral. Homens têm consequências mais severas do assédio do que as mulheres: os mais escolarizados, os solteiros e os mais novos.

A pesquisa enfatiza que embora estes grupos sejam os que mais sofrem com o assédio, são os menos discriminados no contexto de trabalho. Assim, as práticas de gestão de pessoas precisam agir rapidamente não apenas preventivamente, evitando o assédio moral, mas também tratativamente, cuidando daqueles que sofrem o assédio.

O assédio moral é um comportamento detrimental, usualmente realizado pela chefia e tende a adoecer mais do que vários agentes químicos. Previna o assédio moral, cuide dos seus pares, dos seus chefes e dos seus subordinados. Pequenas ações diárias podem adoecer, mas também são elas que podem brindar saúde física e mental para as pessoas. Favoreça a diversidade, valorize e reconheça a potencialidade de cada um. Exercite fazer elogios.

Por, Amalia Pérez , Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília..


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *